Jenson Button apoiando uma super causa!

Essa semana fui a um evento no São Bento, Itaim, para o lançamento da campanha da Johnnie Walker em parceria com o aplicativo 99 taxis: eles vão doar 1 milhão de Km de corridas de taxi para que as pessoas que beberem não dirijam. Achei super original a idéia e bem bolada por associarem ao piloto. A atriz Debora Nascimento estava junto.

A partir de sexta-feira (07.11), a quilometragem recorde fica disponível para a população de São Paulo, Santos, Recife e Brasília. A doação recorde será realizada por meio do app 99Taxis, nas noites de sextas e sábados, das 21h às 4h, para maiores de idade. Cada pessoa vai poder usar o serviço uma vez por noite, na hora de voltar para casa.

Vocês sabem quanto é isso?? Com 1 milhão de quilômetros é possível dar 25 voltas na circunferência da Terra ou ir 240 vezes do Oiapoque ao Chuí!!!

A pessoa precisa ter um cartão de crédito cadastrado em uma conta PayPal e ter as versões mais recentes do 99Taxis para os sistemas iOS e Android. O passageiro chama o táxi pelo aplicativo 99Taxis, escolhe a opção de pagamento “#hojenãodirijo – JOHNNIE WALKER” e insere sua data de nascimento. Ao final da viagem, confirma o valor no smartphone do motorista digitando os três primeiros números de seu CPF. Se o total for inferior a R$ 30, a corrida sai de graça para o usuário. Caso ultrapasse, apenas o adicional é descontado do cartão. Já o taxista recebe o valor integral da corrida.

Todos bem que queriam uma selfie com ele mas a Débora Nascimento não só monopolizou como também fez invejinha em todos por lá… hahahaha. Mas sério, achei super legal a iniciativa, tks Johnnie Walker!

Semana Mesa SP: O evento gastronômico do ano!

É unânime: qualquer pessoa que acompanha o mundo da gastronomia sabe que o Mesa SP é o evento do ano, organizado pela revista Prazeres da Mesa, não apenas para chefs, blogueiros e jornalistas gastronômicos: todos os foodies e amantes de uma boa comida entendem do que estou falando!

O evento tem três dias (parece que ano que vem pensam em aumentar para quatro, tomara!) e é dividido em vários tipos de atividades: desde jantares magnos preparados em conjunto por vários cozinheiros estrelados até aulas sobre os mais variados temas, por chefs do mundo inteiro. Já falei bastante desse evento nos anos anteriores, não é novidade para quem passa por aqui, mas esse ano foi mais especial do que nunca: uma palestra com vários dos G11, os melhores chefs do mundo, que representam o Basque Culinary Center. Ferran Adria, Gaston Acurio, Rodolfo Gusman, Michel Bras, Alex Atala, Joan Roca, Yukio Hattori, Kamilla Seidler estavam por lá, todos juntos. E defendiam uma mesma causa: a biodiversidade, pequeno produtor e a origem dos alimentos.

Segundo o que o chef Alex Atala explicou, lá não é apenas uma escola de culinária: eles querem formar um profissional mais completo, com aprendizado profundo sobre ingredientes, natureza, origens, física, química e tudo que possa ser relacionado. A platéia toda foi ao delírio com essa palestra…

Esse ano a organização fez o espaço farofa com diversos estandes vendendo produtos e pratos deliciosos para serem degustados por lá e um espaço de foodtrucks diversos. Não resisti, apesar da comilança nos coqueteis, aulas e degustações, e acabei provando um ceviche. Um não, dois! ;)

E depois de muitas e muitas aulas, muito aprendizado, muita novidade, o evento foi encerrado com chave de ouro. Alberto Landgraf do Epice, um dos melhores restaurantes da América Latina, foi o penúltimo com uma camiseta de quem sabia que estava aguardando um mestre: I love NY and Michel Bras, afinal seria ele a encerrar o evento. Alberto brilhor mostrando como faz o menu atual do seu restaurantes e como reaproveita o lixo do Epice para fazer adubo para suas ervas.

Daí a lenda veio ao palco, um dos chefs que mais serve de inspiração para os contemporâneos atuais, um gênio: Michel Bras.

Apesar de nunca ter ido em seu restaurante (que passei a sonhar um dia conhecer), acompanho suas criações geniais. Depois da palestra, passei a entender o porquê de tanta admiração nesse meio gastronômico: ele é uma pessoa muito, muito simples! E toda complexidade de seus pratos é apenas a tradução de todo amor – que ele de fato transparece – pela gastronomia. Ele disse que em seu restaurante sua esposa está sempre lá para receber os clientes com um sorriso tão natural que eles são na verdade vistos como amigos, como alguém que os está visitando. Toda essa atmosfera reflete no paladar e num conjunto de sentimentos que o faz de fato um gênio. Depois de conhecer muitos chefs, esse sem dúvidas foi o que mais me impressionou, não apenas pelas criações mas pela maneira que ele lida com tudo isso. Aplausos! Muitos! De pé!

Aguardando ansiosamente pela Semana Mesa SP 2015!!! Contagem regressiva iniciada!

Lasai: Melhor do Rio, na minha opinião

Faz tempo que queria conhecer o Lasai, mas toda vez que tentava fazer reserva antes das minhas idas ao Rio já estava lotado. E ficava por isso mesmo, afinal aqui em São Paulo tem tantos restaurantes bons, que compensaria por aqui mesmo. Só que dessa vez foi diferente… Consegui a tal reserva e lá fomos nós finalmente tentar entender o motivo da fama do restaurante. E a conclusão foi: é muito, mas muito mais do que a gente estava esperando… E depois pesquisando, descobri que o chef Rafael Costa e Silva trabalhou por 5 anos no Mugaritz, um dos 3 melhores restaurantes do mundo! Imaginem agora o sabor dessas fotos… E só o ambiente já surpreende demais: eles têm um teto que se abre e faz com que o nosso jantar seja sob as estrelas. Romântico né? ;)

Mas vamos por partes… Ao entrar no restaurante nos perguntam se gostaríamos de tomar drinks no lounge. Como estávamos pensando no vinho acabamos indo direto para a mesa, mas sorte nossa que o barman foi até a nossa mesa explicar como funcionava: a gente só escolheria o destilado e se gostaríamos de refrescância ou potência que ele se encarregaria do resto com uma surpresa. E eu que AMO ser surpreendida não poderia deixar passar essa! Fomos os dois de vodka… E ele nos prometeu dois diferentes. Daí eles chegam, preparados um com Bellvedere e o outro com Grey Goose. Óleo de limões, gengibre, infusão de camomila eram alguns dos ingredientes. De fato, começamos bem!

O restaurante não tem pratos a la carte, apenas duas opções de menu: um com 13 pratos R$ 245,00 e outro com 7 R$ 185,00, sendo que a primeira é totalmente às escuras e na segunda, com porções um pouco maiores, escolhemos 3 dos 7 pratos. Fui na segunda opção considerando uma experiência não muito boa que tive recentemente num restaurante com essa mesma metodologia, em que acabei saindo com fome por tão pequenas que eram as porções hahaha Claro que não deve ser o caso do Lasai, mas não quis arriscar depois de prometer a mim mesma que não faria mais isso! Para acompanhar fomos de Cidra de PÊRA! Isso, nunca tinha tomado e gostei tanto que agora preciso descobrir onde comprar aqui em sampa.

Os primeiros pratos são todos supresas. Começamos com brandade de beijupirá e chips de mandioquinha. Textura perfeita, mas ainda aguardava por mais!

Em seguida, tempura de escarola e flor de abobrinha como já havia comido na Itália, com um molho oriental.

Daí o ápice das entradas: lingua, mas feita de uma maneira tão perfeita que a vontade era continuar comendo mais uma dúzia dessas… Só que era só uma por pessoa :(

Daí chega a tapioca, rechada com rabada, no ponto de se desmanchar de tão macia. E a dúvida sobre o melhor, quando comparado com a lingua??? Empatado!

Daí começam os pratos escolhidos. Eu fui de vieiras com tutano… PERFEITO!!! Que combinação, realmente surpreendente!

E meu marido de “Ovo”, que pelo que fomos informados é um prato que está há tempos no cardápio. Eu particularmente achei ok, mas um pouco adocicado, com gosto de côco, não pediria denovo. Mas sendo um clássico do cardápio, não poderíamos deixar passar!

Prato principal: fui de wagyu na baixa temperatura com caldo da própria carne e batatas laranjas. Perfeito, demais! Melhor que o peixe do marido… (que também estava delicioso!)

Marido foi de pargo, com caldo de porco e cebola.

Sobremesa do marido: sorbet de abóbora, bolinho de banana com calda de côco queimado. Bom, principalmente para quem não gosta de muito doce.

Só que não trocaria pela minha escolha: bolinho de fubá super cremoso, com um caramelo brule por cima e sorvete de erva doce… PERFEIÇÃO!

Resumindo: o Lasai passou a frente de muitos restaurantes que estavam no meu conceito como melhores do Brasil. Espero voltar em breve, muito em breve!

Lasai

R. Conde de Irajá 191, Botafogo

Tel – 21 – 3449-1834